ALUNO ONLINE: O QUE ISSO REPRESENTA?

Tempo de leitura: 3 minutos

O maior desafio do educador no novo milênio é compreender de forma diferente o papel das tecnologias na sociedade para entender o presente o futuro do aluno online.

As tecnologias criam ambiente Tecnocultural, no qual vivemos.

Quando chegam novas tecnologias, o ser humano pode fazer o que não podia antes.

A cultura se expande, pois ganha novas possibilidades de resolver antigos problemas.

A tecnologia, sob este ponto de vista, não é neutra, pois ao se massificar altera hábitos e nos permite ir aonde nunca imaginávamos ser possível.

Há a viabilização de alguns sonhos, que podem ser tornados realidade.

Quem quer entender o futuro da educação, da escola, dos alunos online precisa arriscar, assim, a responder algumas questões:

1) Qual é o passivo cultural que as novas tecnologias educacionais vêm resolver?

Muitos alunos para poucas vagas de qualidade no mundo, devido ao crescimento populacional: o Sapiens saltou de um para sete bilhões, em 200 anos! E o Brasil de 30 para 200 milhões em 100 anos!

2) Quais eram e ainda são os limites das tecnologias educacionais passadas?

Incapacidade de educar fora de espaço físico limitado da escola de tijolo, com turmas dependentes de professores intermediadores do conhecimento, através de materiais didáticos impressos.

3) E qual será a expansão cultural possível com as novas possibilidades tecnológicas?

Uso intenso de tecnologias educacionais para superar o problema de vaga versus qualidade, com intenso uso de:

  • Autoaprendizagem;
  • Aprendizagem colaborativa;
  • Aprendizagem a qualquer momento de qualquer lugar;
  • Inteligência artificial;
  • Curadoria educacional.

A educação, assim, não vai mudar por causa das novas tecnologias, mas porque as antigas tecnologias (linguagem oral e escrita numa sala de aula nas escolas de tijolos) chegaram ao seu limite.

Não há saída para este velho jargão:  “menos alunos por turma com professores mais bem capacitados“, pois a qualidade precisa rimar com quantidade.

E quantidade tem que corresponder  ao dinheiro em caixa.

Chegamos ao limite da escola oral, escrita e de tijolo, presa no tempo e no espaço.

Temos que procurar desenvolver novos modelos de educação capazes de superar o impasse da qualidade na quantidade e quantidade na qualidade.

Em resumo: mais educação de qualidade com os novos recursos disponíveis para atender quantidade.

Só com novas tecnologias, novas metodologias, nova formação dos educadores e nova mentalidade conseguiremos sair desse impasse secular.

É a Educação 3.0 e o aluno online que pedem passagem!

Carlos Nepomuceno

Carlos Nepomuceno, o Nepô, é pai de três filhos, botafoguense e considera a Lagoa Rodrigo de Freitas, Rio, o melhor lugar do mundo para viver. Gosta de pedalar e fotografar qualquer coisa que dê uma boa imagem. É obcecado para entender o mundo digital e não é de hoje: já pesquisa e vive da e na Internet há mais de 20 anos. É jornalista, professor, doutor em ciência da informação, tem canal do youtube e um blog, nos quais apresenta suas ideias há mais de 10 anos. Trabalha como estrategista em organizações estatais e privadas. Sua missão no mundo: ajudar pessoas e organizações a entender o Mundo 3.0 para agir de forma mais eficaz. Para saber mais sobre sua formação e experiência profissional, acesse seu perfil no LinkedIn.

7 DESAFIOS DA EDUCAÇÃO NO NOVO MILÊNIO